25 de dez de 2010

Verão sem sustos!




Verão, calor, férias, crianças... e nada melhor do que cair na água para se refrescar, certo?

Para garantir férias tranquilas a todos, é bom seguir algumas orientações a fim de evitar sustos e até mesmo tragédias. No Brasil, os afogamentos são a segunda maior causa de morte entre os acidentes, na faixa etária de 1-14 anos.

A melhor forma de preveni-los é a supervisão constante e ativa de um adulto (que saiba nadar...) sempre que houver água por perto. E isso serve mesmo para as crianças que sabem nadar e para lugares considerados rasos.

Aqui vão então algumas dicas para pais e cuidadores:

• Muitos afogamentos acontecem com pessoas que “sabem nadar”. Não superestime a habilidade de crianças e adolescentes;

• A criança não tem consciência do perigo, não se debate nem pede socorro. O acidente é portanto silencioso e a experiência mostra que muitos afogamentos ocorrem na presença de adultos (distraídos).

• Beber álcool ou se envolver em atividades que causem distração são itens proibidos para quem cuida de crianças.

• Criança pequena deve usar bóia mesmo em piscinas infantis, pois ela pode escorregar e não conseguir se levantar sozinha.

• Existe uma lei que obriga a presença de salva-vidas em áreas públicas e privadas, portanto exija esse direito.

• Bóias e outros equipamentos infláveis são bons e divertidos, mas não infalíveis. Eles podem estourar, virar ou serem levados pela correnteza. Portanto, fique de olho!

• Em embarcações, o ideal é que a criança use sempre um colete salva-vidas.

• Deixe sempre próximo da piscina um telefone e os números de emergência: SAMU: 192 e Corpo de Bombeiros: 193.

• Se uma criança está ausente, verifique primeiro a piscina.

• Se puder, faça um curso de Suporte Básico de Vida, nome atual do “Primeiros Socorros”.



Ensine seu filho a:

• Sempre nadar com um companheiro. Nadar sozinho é muito perigoso;

• Não brincar de empurrar, dar “caldo” dentro da água ou simular que está se afogando.

• Respeitar as placas de proibição nas praias, e os salva-vidas.

• Sair do mar olhando para as ondas (de costas para a praia), assim ele vêe o que está acontecendo no mar.

Sei que o assunto é forte e pode nos deixar temerosos, mas acredito que conhecimento e prevenção são sempre o melhor caminho.

Muita diversão a todos!!

Bjs, Dra. Ilana.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faça aqui seu comentário: