5 de abr de 2010

O Sabor da Semana - Legumes Teryaki

Caros,

Podem caprichar, pois vocês vão disputar os palitinhos com as crianças!!

Legumes Teriaki


Ingredientes:


8 bastões de cenoura 0,5 x 5cm
8 bastões de batata 0,5x5cm
8 bastões de mandioquinha 0,5x5cm
Vale usar vagem e abobrinha também!

Molho:
Shoyu Sakura light 1 copo

Mel ½ copo (não vale Karo, ok?)
Gengibre 2 rodelas de 0,5cm de espessura
Cebola média 1 unidade cortada em 6

 Preparo:
Numa panelinha coloque o shoyu, o mel, o gengibre e a cebola. Ponha para ferver em fogo alto, depois diminua para fogo médio.
Deixe engrossar até ponto de fio (aproximadamente 5 min), tire do fogo, retire a cebola e o gengibre e reserve.
Cozinhe os legumes separadamente em água quente até ficarem cozidos - porém crocantes. Retire da água e divida-as igualmente em 4 porções. Coloque 2 colheres de sopa do molho sobre os legumes e sirva como guarnição do prato preferido do seu filho.

e Bom Apetite! 
Dra. Ilana.

ESCLARECEIMENTO SOBRE A VACINA DA GRIPE SUÍNA

Tenho recebido muitos e-mails e ligações solicitando informações ou questionando sobre a vacina anti influenza H1N1. Alguns comentam sobre um email maluco que está rodando o mundo, dizendo que a vacinação em massa é uma tentativa de genocídio. Outros, afirmam que a vacina conteria substâncias que poderiam causar efeitos colaterais sérios. Questiona-se ainda a política de lucro da indústria produtora de vacinas.


A história da medicina e da humanidade é rica em exemplos de movimentos anti-vacinas, envolvendo médicos, profissionais de saúde, grupos religiosos, praticantes de medicina alternativa, grupos de mães, entre outros. O surgimento das vacinas, entretanto, é uma das maiores invenções da humanidade no quesito saúde (a meu ver), já que previne doenças e óbitos, principalmente em crianças. A erradicação da paralisia infantil e da varíola são grandes exemplos disso.

Em 1997, a vacina tríplice viral (sarampo, rubéola e cachumba) foi acusada de provocar autismo, com queda nas aplicações e aumento de casos graves de sarampo. Nesse ano houve uma epidemia de sarampo nos estados de SP e RJ, com mais de 50.000 casos. A vacinação foi então intensificada e o último caso registrado de doença autóctone (nao relacionada a casos importados) foi em novembro de 2000 no Mato Grosso do Sul.

Após uma década de acusasões, cientistas americanos confirmaram que não há relação entre o autismo e a vacina combinada contra o sarampo, a rubéola e a caxumba, desmentindo assim a pesquisa de 1997.

Hoje, os ataques se dirigem à vacina contra influenza H1N1.

Longe de querer convencer alguém a tomar a vacina, gostaria de fazer algumas considerações: efeito colateral toda vacina pode ter. Mas a doença também tem "efeitos colaterais graves". A experiência da pandemia anterior da Gripe A mostrou claramente a gravidade do comprometimento pulmonar, acometendo crianças, adultos jovens, gestantes, com alto índice de hospitalizações, casos graves e mortes.

A sociedade não pode se deixar levar por opiniões inconsistentes e deve procurar informações junto a instituições confiáveis, como a Organização Mundial de Saúde, o Ministério da Saúde, e Associações Médicas de cada localidade.

A vacinação não é obrigatória e cada pessoa, ou no caso das crianças, cada pai/mãe pode optar por fazer ou não a vacina. Eu estou aguardando a chegada da vacina nas clínicas particulares para vacinar meus filhos (que não são contemplados pelo programa do governo). Na minha opinião, a gripe A (H1N1) merece ser prevenida, tanto pela vacinação, quanto pela adoção das medidas profiláticas já comentadas neste blog.

Para quem decidir em prol da vacina, aqui vai um lembrete do calendário:

De hoje (5/abril/2010) a 23/abril: adultos saudáveis entre 20 e 29 anos.

De 24/abril a 7/maio: idosos (a partir de 60 anos) com doença crônica.

De 10 a 21/maio: adultos saudáveis entre 30 e 39 anos.

Os portadores das seguintes doenças crônicas receberão a vacina:

• Obesidade grau 3 - antiga obesidade mórbida (crianças, adolescentes e adultos);

• Doenças respiratórias crônicas desde a infância (exemplos: fibrose cística, displasia broncopulmonar);

• Asmáticos (formas graves);

• Doença pulmonar obstrutiva crônica e outras doenças crônicas com insuficiência respiratória;

• Doença neuromuscular com comprometimento da função respiratória (exemplo: distrofia neuromuscular);

• Imunodeprimidos (exemplos: pacientes em tratamento para aids e câncer ou portadores de doenças que debilitam o sistema imunológico);

• Diabetes mellitus;

• Doença hepática, renal e hematológica;

• Pacientes menores de 18 anos com terapêutica contínua com salicilatos (exemplos: doença reumática autoimune, doença de Kawasaki);

• Portadores da Síndrome Clínica de Insuficiência Cardíaca;

• Portadores de cardiopatia estrutural com repercussão clínica e/ou hemodinâmica (exemplos: hipertensão arterial pulmonar, valvulopatias, cardiopatia isquêmica com disfunção ventricular).

Por último e não menos importante: pessoas alérgicas a ovo e ao timerosal não podem receber a vacina.

Tenham uma ótima semana! Dra. Ilana.