18 de mai de 2013

O DILEMA "VITAMINA D": SOL E CÂNCER DE PELE, OU OSTEOPOROSE?
 
Você já “tomou” sua dose de vitamina D hoje?
Se a sua rotina inclui algo parecido com: acordar cedo, engolir rapidamente o café da manhã, preparar as crianças para irem à escola, pegar o elevador, descer até a garagem, costurar pela loucura do trânsito até a escola das crianças, entrar na garagem do escritório, pegar o elevador, e ficar horas sentado em reuniões, computador, etc... Você é um sério candidato a ter deficiência de Vitamina D!
A vitamina D, hoje considerada por muitos especialistas um hormônio, é encontrada em poucos alimentos. A nossa maior fonte dela, é a luz solar. E não aquela politicamente correta, antes das 10 da manhã. É exatamente a radiação UVB, do meio dia, que faz tremer qualquer dermatologista (e pediatra), a responsável por transformar a pré- vitamina D3 em Vitamina D.
A principal função da Vitamina D no nosso corpo é ajudar a absorver o cálcio da dieta, além de manter níveis normais de cálcio e fósforo no sangue, e deixar ossos e dentes fortes. Nas crianças, a deficiência de Vitamina D pode causar raquitismo (retardo no crescimento, alteração nos ossos e dentes, deformidades esqueléticas, etc.)
Com o aumento dos diagnósticos de osteoporose, estudos recentes associando a deficiência de Vitamina D às doenças cardiovasculares, diabetes e câncer de cólon, médicos de várias especialidades começaram a recomendar a reposição da Vitamina D, associada a uma maior exposição solar, sem proteção. É um dilema e tanto. Utilizado adequadamente, um protetor solar com FPS 15, reduz em 99% a capacidade da pele em produzir Vitamina D.
Grandes metrópoles, com muitos prédios, pessoas andando de metrô e ônibus, lazer em museus e shoppings, têm uma incidência alta de deficiência de Vitamina D. Países ensolarados, mas que têm como tradição o uso de roupas que cubram o corpo todo também. Há um embate entre dermatologistas e clínicos. E convenhamos, osteoporose e câncer de pele são doenças pediátricas! Elas aparecem, na maioria das vezes, na idade adulta, mas é dever do pediatra orientar e prevenir. Depois da adolescência, é tarde...
De acordo com os especialistas, indivíduos de pele clara precisam de 10 a 15 minutos de exposição solar sem proteção 2x por semana. Como a melanina é um protetor solar natural, indivíduos de pele escura precisam de 20 minutos. A desculpa que não dá tempo de ir à praia ou à piscina do clube não cola, sair de short e camiseta já é suficiente. Difícil é contar com o bom senso de todos, e acreditar que a recomendação será seguida à risca.
Sabemos bem como as crianças fogem da gente na hora de passar o protetor solar,  e que  adolescentes  adoram se torrar nas praias. Imagine dizer “hoje não precisa passar”...
 Acho que a recomendação deve ser INDIVIDUALIZADA, dependendo da cor de pele da cada pessoa, nível de poluição, altitude, quantidade de meses de inverno do local onde você vive, e como é sua dieta.
Vale ter em mente que, se necessária, a suplementação da Vitamina D é bastante segura. Converse com seu médico!
 
Segue uma lista dos alimentos ricos em Vitamina D:
Atum Fresco, Sardinha fresca/enlatada, cavalinha, salmão, cogumelo shitake fresco e seco, gema de ovo, óleo de fígado de bacalhau, leite.
 
Dra. Ilana.